A Força de Um Desejo

Ele era jovem e com muitas habilidades, poucos recursos financeiros, mas com uma grande paixão, os animais.

Por Sandra Almeida

Meus pais tinham um sítio com pequenas plantações, pomar, horta e alguns cavalos, bois e vacas e procurava um caseiro com habilidades múltiplas para ajudá-lo na administração.

Bingo! Ele logo identificou um caminho para realizar seu sonho, ainda que inconscientemente, acredito eu. Entraram em um acordo e logo estavam eles lá, Jorge (nome fictício), sua esposa e seu filho de 03 anos, fazendo o que ele gostava, lidar com gado e com a terra, sempre com o apoio da sua esposa.

Mas, ele tinha um desejo, que até aquele momento desconhecíamos, o de ser veterinário.

Desconfio que a força desse desejo o estava conduzindo em direção a um caminho de realização, mesmo que naquele momento ele não conseguisse entender como isso se daria, porque focava nos obstáculos entre ser caseiro de um sítio e se tornar um veterinário.

Vivia, com certeza, um conflito entre permanecer na “segurança” que aquele trabalho trazia para ele e sua família e sair em busca da realização do seu sonho.

Uma parte dele imaginava que isso estava muito distante da sua realidade, já que não dispunha das condições financeiras necessárias para investir nos estudos, mas outra parte mantinha acessa a chama daquele desejo.

Mas, o desejo se “acomodou”, Jorge ficou entretido na lida com animais, coisa que ele realmente fazia muito bem. Era admirável ver como ele se alegrava no dia a dia, até no “parto” das bichinhas ele ajudava. Era evidente seu amor e satisfação.

Quando tivemos que chamar um veterinário para conduzir uma condição mais grave com um dos animais, vi os olhos dele brilharem ao acompanhar os procedimentos aplicados no animal.

Porém, a notícia de que uma linda menininha estava a caminho começou a deixá-lo um tanto quanto inquieto em relação às condições financeiras em que vivia – o salário de um caseiro não é lá aquelas coisas.

Vira e mexe, ele pedia adiantamentos e empréstimos ao meu pai e como eu o ajudava a administrar a parte financeira, aquilo começou a me incomodar, nem sei exatamente o porquê.

Eu pensava: “não é possível que uma pessoa com tanto talento e com um sonho fique “enfiado” neste sítio e não vá em busca de desenvolver seus talentos e realizar seus sonhos”.

Eu sentia que ele era perfeitamente capaz de ir muito além de onde ele tinha se colocado. Vi que o medo de colocar a família numa situação ainda mais complicada era o que o prendia naquele lugar.

Compartilhei meus sentimentos com meus pais e por mais que teria sido excelente se ele tivesse ficado porque era um excelente funcionário, resolvia muitas coisas no sítio e era muito responsável, resolvemos nos arriscar.

Tomamos coragem e dissemos a ele: “ok, vamos fazer o empréstimo que você precisa”. E, com muita dor no coração e medo que ele e sua esposa se ofendessem eu disse em nome de todos:

“Olha, essa situação não vai mudar se você não se arriscar e buscar a coragem que precisa para virar o jogo. Você tem muito talento para ficar preso aqui. Pensa no que está te travando e dê um passo a mais”.

Eu sabia que a situação do empréstimo ia se repetir vez após vez, isso ardia meu coração. Eles ficaram com o empréstimo e prometeram pensar sobre o assunto.

superação

Para nossa felicidade, alguns dias depois eles pediram a conta e explicaram que aquelas palavras tinham sido importantes para eles reavaliarem a situação.

Conversaram com a família (pais e irmãos) e decidiram unir forças e apoiá-lo na sua formação para veterinário.

Acredito que esse movimento reacendeu a chama daquele desejo e deu forças para o Jorge se mover em direção ao seu sonho e assim ele conseguiria dar uma melhor qualidade de vida a sua família que tanto amava.

Não deve ter sido uma decisão fácil, mas foi incrível ver uma família inteira se unir para ajudá-lo. Reconheceram que Jorge tinha muito talento e que estava desperdiçando isso e que com o crescimento dele todos poderiam se beneficiar.

Hoje, quase 04 anos depois, ele está prestes a se formar. Recentemente, nos mandou uma mensagem dizendo o quão importante foi aquela conversa, nos agradeceu por reconhecer no sonho dele um valor e por ter tido a coragem de dizer o que estava no nosso coração.

Fiquei muito aliviada porque até aquele momento eu não sabia exatamente como eles tinham recebido o que era nossa verdadeira intenção, que era impulsioná-lo rumo ao seu sonho.

Penso que quando a gente tem um desejo genuíno, ele tem forças suficientes para nos levar a sua realização, ele move as pessoas e até as circunstâncias em nosso favor.

Claro, precisamos de coragem, pois nunca sabemos quais caminhos teremos que percorrer, mas ele, certamente nos sustenta até que possamos tocá-lo!

psicanálise no diva

Envie seu comentário